fbpx

Como fazer mapa mental e facilitar a memorização

Se você estuda para realmente aprender, e continuar aprendendo sempre, hoje iremos falar sobre uma ferramenta poderosa: MAPA MENTAL! Se você é concurseiro, vestibulando, estudante em geral, e ainda não utiliza essa técnica, eu realmente indico que comece a fazê-lo mais rápido possível.

Com o mapa mental você consegue facilitar a sua compreensão, organizar os pensamentos, fazer resumos completos e eficazes, e assim, ter um alto poder de fixação. Além disso, com ele é possível realizar as revisões de um conteúdo enorme em pouco tempo.

Imagine você, no sábado que antecede a sua prova, com apenas algumas horas para fazer a revisão de todo o conteúdo do programa. Parece impossível, não é? Pois é, mas saiba que não é!

 

8 passos para começar a estudar para concursos públicos

 

O que é mapa mental

Mapa mental é o nome dado para um tipo de diagrama com anotação não linear criado pelo psicólogo inglês Tony Buzan. Trata-se de um modelo de resumo realizado via esquematização do conteúdo de forma visual e resumida.

Com alto poder de fixação, os mapas mentais facilitam a aprendizagem, aumentam a velocidade em suas anotações e tem um ótimo ganho na retenção dos conteúdos e ideias, facilitando a memorização do conteúdo estudado.

Benefícios da ferramenta

 – Facilita o estudo em uma única vez e mantém mais facilidade todo o conhecimento disponível na memória;

– Ajuda a manter a concentração e o foco, ao passo que você vai construindo o mapa mental concomitante a aula ou palestra;

– Produz resumos claros e objetivos;

– Facilita e agiliza as revisões de qualquer assunto, em curto espaço de tempo;

– Estimula a memória a aprender com mais velocidade e eficiência;

– Possui alto poder de síntese;

– Possibilita que você produza seu próprio material de estudo, o que aumenta o poder de aprendizagem.

 

Como fazer um mapa mental?

 Material Necessário

  • Resmas de papel A4 ou cadernos de desenho;
  • Lápis e/ou canetas hidrocor de ponta fina, preferencialmente preta, vermelha, verde e azul.

Técnica

    1. Utilize o papel no sentido horizontal, coloque o título do assunto principal no centro da página e circule-o;
    2. No cabeçalho (no topo da folha) coloque a disciplina, o assunto, o número da aula e a data;
    3. A partir do centro puxe ramos para os tópicos no sentido horário. De cada ramo puxe os subtópicos do assunto estudado. Desenhe ramos curvos pois estimulam mais o seu cérebro;
    4. Use cores diferentes em cada ramo pois estimulam zonas cerebrais específicas, que antes não eram utilizadas, além de quebrar a monotonia do estudo;
    5. Escreva o mínimo possível: utilize palavras chaves, mnemônicos, abreviações, desenhos, indicações…assim, você economiza tempo tanto para ler quanto para escrever;
    6. Lembre-se sempre: você vai colocar no mapa mental algo que o seu cérebro processou, isto é, compreendeu!
    7. Escreva com letras grandes;
    8. Use imagens com formas simples, como uma criança de 5 anos faz. Você não precisa ser um cartunista. O importante é que você entenda.
    9. Se o conteúdo possuir muitas informações, divida-o em mais de um mapa;
    10. Faça o mapa mental na mão, isto aumenta a assimilação do conteúdo estudado.

Anotações durante a aula

Os mapas devem ser feitos durante a realização das aulas, como forma de anotações. Mas cuidado: você deve colocar no mapa mental somente aquilo que você realmente entendeu do conteúdo ministrado pelo professor. Se algo passou batido ou você não tenha entendido completamente, faça uma anotação no próprio rascunho do mapa para que, posteriormente, você tire suas dúvidas.

Este processo irá melhorar muito seu rendimento – pois irá mantê-lo focado na aula. Você conseguirá fazer anotações com mais rapidez e sairá da aula com o esboço do seu mapa mental pronto, depois é só passar a limpo, aí sim usando cores e desenhos.

 

Aulas gratuitas e dicas de conteúdos 

 

Dicas importantes sobre o mapa mental

O mapa mental é pessoal! Você vai colocar nele somente aquilo que você entendeu da aula ou material que está estudando.

Logo a regra é:

1º – Compreenda o conteúdo ministrado;

2º – Anote no mapa mental usando palavras chaves, símbolos, abreviações, referencias;

3º – Depois passe o mapa a limpo, usando canetas coloridas e fazendo ilustrações;

Na internet há vários mapas mentais prontos, de todas as disciplinas e dos mais variados assuntos. Isso é ótimo, mas apenas para consulta! Use estes mapas somente como referência, já que nele estão anotados aquilo que outra pessoa entendeu, não você.

 

Aplicativos de mapas mentais

Como indicado acima, a produção do mapa mental à mão é o ideal, pois auxilia a retenção do conteúdo pelo cérebro mais facilidade. Porém, se você é alguém que gosta do conteúdo digital e não se dá muito bem com o papel, existem diversos aplicativos que cumprem muito bem a tarefa de criar mapas mentais.

Entre os disponíveis, gratuitamente, duas excelentes recomendações são: o X-Mind ou o Free-Mind. Abaixo você pode acessar e conhece-los!

X-mind

Free-Mind

 

Princípios a serem observados na construção de seu mapa mental:

  1. Simplicidade: Um bom mapa mental tem poucas informações, utiliza cores e desenhos simples. Cuidado com o perfeccionismo que irá fazer você gastar um tempo excessivo;
  2. Abrangência: Faça quantos mapas forem necessários para abranger todo o assunto;
  3. Principio de Pareto: Coloque no mapa as informações principais utilizando o principio 80 x 20 de Pareto.
  4. Revisão: com os mapas prontos você poderá utilizar a Técnica de Repetição Espaçada, que irá facilitar a memorização de toda a informação que você aprendeu nas aulas.

 

Terminando com uma palavra de ânimo:

No inicio você pode ter dificuldade em construir os mapas, em fazer uma síntese do conteúdo, desenhar, usar cores, etc. Talvez você fique desanimado pelo tempo que leva em desenhar um mapa mental, e pense que está desperdiçando seu tempo.

Veja, isso é normal! O começo é mais complicado mesmo, mas depois de fazer uns 10 mapas, você irá notar que os diagramas vão saindo naturalmente, sem grandes dificuldades e no final, quando você mapear todo o programa de seu edital, irá ter um tesouro em suas mãos: um material, produzido por você mesmo (pode colocar seu autógrafo) que permitirá revisões espaçadas em pouquíssimo tempo, e com certeza, uma vantagem gigantesca no resultado de sua prova.

No final, eu tenho certeza, que você vai dizer: “Valeu a pena. Ah, se valeu!”

 

Até a próxima!